Página Inicial > Artigos > Sylvio Motta

» Artigos

  • Compartilhe 
  • Sylvio Motta
  • Redação para Concursos (primeira parte)

    26/01/2014

     

    Questões Dissertativas

    Considerações Preliminares

    Não é comum encontrarmos questões dissertativas com respostas em manuais voltados para a preparação de candidatos. Isto tem vários motivos, e um dos principais é a enorme variedade de respostas possíveis diante de uma mesma questão. Além disso, a redação é influenciada por n fatores, sendo até mesmo arriscado propor uma resposta em questões dissertativas. Contudo, vou me permitir arriscar, na tentativa de oferecer um trabalho de desenvolvimento mais completo a você, amigo candidato.

    Inicialmente, veja que ? como acabamos de dizer ? não existe uma forma ?oficial? ou ?certa? de se responder a uma questão dissertativa. As respostas podem variar conforme o gosto, o estilo, as preferências e a capacidade dos candidatos. O essencial é que o resultado final seja uma resposta clara, simples e objetiva, o que contribuirá para o sucesso do candidato.

    No intuito de iniciar este trabalho, faremos menção a algumas técnicas de redação, de raciocínio jurídico e daremos algumas dicas para melhorar o desempenho do candidato nas provas.

    É muito mais fácil e seguro trabalhar apenas com questões objetivas, mas achamos que vale a pena preparar-se também aqui para as provas dissertativas.

    Redação para concursos

    Introdução

    Todos os concursos exigem a capacidade de redação, mesmo os de múltipla escolha. Ler e redigir fazem parte de um mesmo fenômeno, bem como falar, expressar-se e comunicar-se. Quem já escreve ou fala razoavelmente tem tudo para completar o ciclo da comunicação, e isto é muito importante. É a palavra que nos distingue dos outros animais. A palavra é privilégio da Humanidade.

    Há bons livros que ensinam redação. Nosso objetivo aqui é somente mencionar alguns cuidados próprios de quem presta provas e concursos públicos.

    Por fim, é bom ter sempre em mente que quem sabe estruturar bem uma resposta escrita, certamente também saberá fazer uma boa estrutura verbal e vice-versa. Embora cada uma dessas formas de exposição tenha suas particularidades, elas se completam.

     

    Se você quer aprender a redigir bem, faça três coisas:

    1 ? Leia muito.

    2 ? Estude português, redação e a matéria da prova.

    3 ? Principalmente, acostume-se a redigir. Escreva sempre, redija sempre. Escreva redações, cartas, poesias, contos, exposições de motivos, etc. A gente aprende a escrever escrevendo.

     

    Redação para concursos

    A experiência nos ensina que uma considerável parte dos candidatos sabe a matéria suficientemente para ser aprovado, mas não o é por deficiência da sua redação. Esta deficiência pode decorrer da própria dificuldade de redigir ou da falta de habilidade para transportar, como já disse, uma ideia para o papel.

     

    Cuidados já mencionados na redação de respostas em provas escritas

    a)  Leia a prova, leia efetivamente o que está escrito nos enunciados das questões.

    b)  Questão a questão, veja Qual é a pergunta? O que o examinador quer? Qual o conhecimento a ser demonstrado? O que nosso ?cliente? deseja?

    c)  Responda ao que foi perguntado e paute pela clareza, objetividade e simplicidade. Essas são qualidades preciosíssimas em concursos.

    d)  Revisões. Nunca deixe de ler sua resposta depois de pronta e, se tiver tempo, reler a resposta como se você fosse o examinador corrigindo-a. Ao reler sua resposta, preste atenção para efetivamente verificar o que foi escrito e não apenas a memória do que você supõe tenha escrito. É comum a pessoa passar os olhos sobre o texto relembrando o que quis escrever e não o que escreveu realmente.

    e)  Administre o tempo disponível de prova e faça a divisão do tempo para cada questão.

    f)  Esteja ?por dentro? das controvérsias, mencionando as divergências, e em redação jurídica utilize as técnicas básicas de raciocínio descritas abaixo: os princípios, as 5 mulheres, a dicotomia e a verificação das relações de coordenação e subordinação.

    g)  Lembre-se de fazer letra legível e de que sua prova deve estar asseada, limpa, organizada.

     

    Devo fazer rascunho?

    Uma das perguntas mais comuns do candidato é se deve fazer rascunhos ou responder direto as perguntas. Outros fazem a prova a lápis e depois a sobrescrevem com caneta, o que é, na prática, um modo de fazer rascunho. Um modo que ou fica feio ou exige um bom trabalho com a borracha, no mais das vezes fazendo uma lambança na prova e gastando ainda mais tempo.

    Primeiro, vamos ver o que não fazer.

    Não responda direto. É muito raro quem consiga escrever tudo certinho logo de saída. Quem escreve direto perde a chance de pôr as ideias em ordem. A tendência de quem responde direto, salvo se tiver muito costume de escrever, será sempre a de ter que consertar ou melhorar alguma coisa depois, além do que o asseio da prova vai para o espaço.

     

    NÃO Repita a pergunta

    Não inicie a resposta repetindo a pergunta. Coloque-se, por um momento, no lugar do examinador, a criatura está corrigindo centenas de provas e se existe uma coisa que irrita (experiência pessoal) é começar a ler a resposta do candidato relendo a indagação... por favor, evite isso a qualquer custo, por maior que seja a tentação.

    Repetir a indagação nem em prova oral, quanto mais discursiva!!

    Demonstra falta de criatividade e insegurança!

    No primeiro parágrafo você tem que seduzir o examinador, seja criativo e fuja do lugar comum, ok?!

    Contudo, não se esqueça da organização. Tanto quanto possível, devemos manter a ordem numérica das perguntas no caderno de respostas porque isto também facilita o trabalho do examinador e mostra organização por parte do candidato.

     

    Fundamentação da resposta

    Ao redigir, ou falar, adquira a prática de fundamentar, de relacionar os motivos, as razões, as vantagens, as desvantagens de não fazer o que vai ser feito, e assim por diante. Obviamente, a melhor fundamentação em provas e concursos é aquela calcada na lei, na doutrina e na jurisprudência.

     

    O uso de mementos (roteiros)

    Memento é um roteiro simplificado que fazemos para organizar a exposição de um tema, seja ela escrita ou oral. O memento funciona como um esboço, um resumo, um pequeno bloco de anotações onde registramos os tópicos básicos de uma redação ou palestra.

    Eles são muito úteis pois tornam desnecessário fazer longos e demorados rascunhos e evitam as falhas que normalmente ocorrem quando se escreve ou fala direto, sem nenhum roteiro.

    O memento será, portanto, um pequeno conjunto de anotações, com palavras-chaves ou, no máximo, frases curtas, que contenham as idéias básicas ou pontos que se quer ou deve abordar.

    Passos para fazer o memento:

    1 ? Definir qual é o objetivo

    2 ? Relacionar os pontos a serem abordados

    3 ? Definir a estrutura básica (onde os pontos que você quer abordar ficarão: no início, meio ou fim da resposta)

    4 ? Treinar

     

    • Compartilhe 


    Eu Vou Passar® - Copyright 2010. Todos os direitos reservados.

    Eu Vou Passar Comércio de Livros e Materiais Didáticos e Serviços Educacionais Ltda
    Av. Lins Petit, 320 - Salas 403/404 - Boa Vista - Recife - PE - CEP 50.070-230
    CNPJ: 11.292.078/0001-43