Página Inicial > Artigos > Marcelo Bernardo

» Artigos

  • Compartilhe 
  • Marcelo Bernardo
  • O INFINITIVO VERBAL 1

    29/09/2011

               Olá, Pessoal!

               Espero que tudo esteja muuuito bem!

    Ainda rasgando o verbo, conversaremos hoje sobre o infinitivo, uma das três formas nominais dessa flexionalmente bastante rica classe gramatical. As outras duas são o gerúndio e o particípio. O infinitivo em Língua Portuguesa pode ser do tipo flexionado ou não flexionado. Esta última forma, sobre a qual falaremos em nosso próximo artigo, é considerada um idiotismo linguístico. Ou seja, é uma manifestação idiomática particular de uma determinada língua.

    Certo é que questões de concordância verbal envolvendo o infinitivo têm se tornado bastante frequentes nos certames públicos. Dessa forma, o concurseiro precisa estar atento às orientações quanto ao emprego da referida forma nominal, tanto em sua ocorrência impessoal (não flexionada) quanto na sua incidência pessoal (flexionada). Para começar o estudo do infinitivo, observaremos os casos em que se usa a forma impessoal dele.

    SITUAÇÕES EM QUE SE EMPREGA O INFINITIVO NÃO FLEXIONADO

     A) Quando exprime um fato sem referi-lo a um sujeito:

     Ex.: Planejar é essencial ao sucesso.

     B) Quando equivale a um imperativo:

     Ex.: Andar! Andar!... camaradas.

     C) Quando o infinitivo forma oração que complementa substantivos e adjetivos:

     Ex.: Tem aptidão para estudar línguas.

    Estavam propensos a estudar arduamente.

     D) Quando forma uma locução verbal ou quando tem o mesmo sujeito do verbo da oração principal:

     Ex.: Costumamos levantar tarde nos fins de semana.

     Evite prometer o que você não pode cumprir.

     E) Quando o infinitivo for regido pelas preposições ?a? ou ?de? e compor locução verbal com os verbos estar, começar, entrar, continuar, acabar, tornar, ficar e outros semelhantes:

     Ex.: Os candidatos ficaram a discutir a última prova.

     F) Quando o infinitivo tiver como sujeito um pronome oblíquo que funcione ao mesmo tempo como objeto direto dos verbos deixar, fazer, mandar, ver, ouvir e sentir:

     Ex.: Faça-os executar a peça sinfônica da melhor maneira possível, maestro!

              

      É isso aí, pessoal!

     Um forte abraço e um ótimo estudo a todos!

    Prof. Marcelo Bernardo

    Prof. Jamesson Marcelino

    marcelobernardo@euvoupassar.com.br
    • Compartilhe 


    Eu Vou Passar® - Copyright 2010. Todos os direitos reservados.

    Eu Vou Passar Comércio de Livros e Materiais Didáticos e Serviços Educacionais Ltda
    Av. Lins Petit, 320 - Salas 403/404 - Boa Vista - Recife - PE - CEP 50.070-230
    CNPJ: 11.292.078/0001-43